Arquivo da categoria: Nova Olinda

Geossítio Pedra Cariri

Padrão
Geossítio Pedra Cariri - Chapada do Araripe - Nova Olinda - Ceará

Calcário laminado, ou Pedra Cariri: movimenta a economia e guarda fósseis

A abundância de fósseis é tanta na Chapada do Araripe, que pequenos exemplares deles podem ser vistos nas paredes e no chão das casas da região, graças ao costume de utilizar o calcário laminado, conhecido como Pedra Cariri, para o acabamento. Há casas inteiras construídas com estas pedras, que movem boa parte da economia do Cariri Oeste, especialmente as cidades de Santana do Cariri e Nova Olinda.

Sendo assim, nada mais natural do que o Geopark Araripe ter escolhido um talhado para exemplificar esta cultura econômica, e ainda mostrar a riqueza presente nas rochas. Não bastasse, há um trabalho cuidadoso em conscientizar os trabalhadores, que vez ou outra acabam achando ricos exemplares. Muitos destes estão no Museu de Paleontologia de Santana do Cariri.
São flores, plantas e peixinhos que pelo encantamento dos anos, viraram pedra.

No entanto, o geossítio Pedra Cariri sofre da mesma carência de estrutura do Parque dos Pterossauros. É interessante, guarda uma riqueza de informações sem fim, mas se o visitante não estiver acompanhado de alguém que sabe bastante, fica meio a ver navios.

Uma dica é atravessar a rua e ver o que está acontecendo com a extração em um mega talhado na frente do geossítio. Há caminhões que recolhem toneladas de pedras, e um grande cemitério de restos de calcário quebrado.

Como cheguei lá:
O talhado fica na estrada para Santana do Cariri. São 3 km entre o centro de Nova Olinda e o geossítio. Não fosse o sol que castiga, dava para ir a pé.
Se não estiver de carro, a melhor opção é pegar uma moto. O trajeto é curto e o preço também. O transporte entre Santana e Nova Olinda é demorado, e geralmente está lotado.

Geossítio Ponte de Pedra

Padrão
Ponte de Pedra, vista de baixo

Ponte de Pedra: água mole em pedra dura…

“No meio do caminho, tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho”, poderiam ter pensado os índios Kariri ao verem a rocha em formato de ponte, supondo que foi a água do rio que passa ali embaixo, nos períodos de chuva, que cavou o buraco e a fez ficar neste formato. Mas Drummond ainda não havia nascido e a explicação foi outra: aquela era uma ponte de pedra que ligava um lago mágico a um castelo, também encantado.

O tal castelo é uma outra formação rochosa, um pouco distante dali, que se assemelha a duas torres. Já o lago, onde viveria uma princesa com rosto de serpente e corpo de mulher, é o Olho D’Água, que pode ser acessado por uma trilha não sinalizada pelo Geopark.

Realmente é uma formação curiosa, mas é preciso entender o contexto para achar o lugar legal. Importante saber que por lá foram achados diversos artefatos arqueológicos, e pinturas rupestres em locais próximos.
Quem entende muito disso é o pessoal da Fundação Casa Grande, de Nova Olinda. Entende tanto, que o projeto começou com o Memorial do Homem Kariri, e os caminhos percorridos pelos primeiros habitantes da Chapada do Araripe são tema de doutorado da arqueóloga Rosiane Limaverde, fundadora da ONG junto com Alemberg Quindins. Vale uma visita à Fundação, parceira do Geopark Araripe, antes de ir ao geossítio.

Como cheguei lá
A entrada do geossítio fica na beira da estrada CE-292, que liga o Crato às cidades do oeste do Cariri. Fica no município de Nova Olinda, há 9 km da entrada da cidade (para quem vai do Crato, 9 km antes de chegar em Nova Olinda, do lado direito da pista).

Há uma identificação na estrada, por onde passam diversas Topics (vans), então é possível chegar de transporte público.
Se for de carro, tem como entrar na estradinha ao lado, e estacionar.