Arquivo da categoria: Colina do Horto

Geossítio Colina do Horto

Padrão
Estátua de Padre Cícero no alto do Horto: chuva à vista!

Estátua de Padre Cícero no alto do Horto: chuva à vista!

Sobre rochas de 600 milhões de anos, as mais antigas da região da Chapada do Araripe, Cícero Romão Batista ergueu em 1907 uma espaçosa casa, no entorno da qual seus beatos em retiro passaram a morar. Era ali que Padre Cícero descansava, recebia políticos, rezava em silêncio e pretendia construir uma igreja. O nome, dado ao local mais alto da cidade de Juazeiro, foi em homenagem ao Monte (ou Horto) das Oliveiras, em Jerusalém.

Em 1969, 35 anos após sua morte, o Horto do Padre Cícero recebeu uma estátua de 27 metros de altura, que hoje é o centro de devoção ao santo nordestino, expulso da Igreja Católica após bispos e Papa não acreditarem que, em pleno sertão do Ceará, Deus realizaria o milagre de transformar a hóstia da beata Maria de Araújo em sangue.

Um lugar fantástico
Não há adjetivo melhor. O Horto é um lugar singular, que emociona e dá vontade de ficar lá por horas, dias, mesmo se você sequer acreditar em Deus. Talvez por reunir tantas e tantas pessoas que subam lá para agradecer e pedir coisas boas, talvez pela altitude e silêncio (fora das romarias), e seus bancos e árvores frondosas, o Geossítio Colina do Horto é um lugar por onde todos deveriam passar no mínimo uma vez na vida, não importando sua religião.

Algumas vezes ao ano, e principalmente em janeiro, setembro e novembro, há romarias enormes, que mobilizam gente de todos os cantos. Elas chegam em caminhões, mas também em carros, ônibus (principalmente) e fazem um circuito pela cidade, que inclui subir a pé a Ladeira do Horto, passando pelas 14 estações da Via Sacra. Param, rezam, e seguem até o alto por uma rua com inúmeras pequenas casas de romeiros que foram chegando e se instalando aos pés da estátua.

No casarão, hoje transformado no Museu Vivo Padre Cícero, há uma infinidade de ex-votos (objetos que representam graças alcançadas, como pés, braços e até seios de madeira, fotos e vestidos de noiva), e também bonecos em tamanho real, representando um pouco de como era a vida em torno de Cícero que, afastado da Igreja, se tornou político: foi o primeiro prefeito de Juazeiro do Norte e chegou a vice-governador do estado.

Uma imponente igreja, a do Bom Jesus do Horto, está sendo construída no terreno. Sonho antigo do Padre Cícero, que viu sua primeira tentativa ser demolida pela Igreja Católica, contrária à obra. No lugar, está sua estátua.

Trilha
O caminho sagrado percorrido pelos romeiros, chamado de Caminho do Santo Sepulcro, foi transformado em trilha pelo Geopark Araripe. É longo e ensolarado. Muito ensolarado. Mas imperdível. Por isso, o trajeto de quase seis quilômetros (2,8 km pra ir e outros 2,8 km pra voltar), saindo peloterreno atrás da estátua, deve ser feito preferencialmente nas primeiras horas do dia, que nasce às 5h. É um caminho na mata, que depois foi desmatada, e hoje está em recuperação (ufa!). Por ele, os beatos iam até uma capela, no extremo de um vale lindíssimo, e ficavam meditando sozinhos, por tempos enormes. Tanto que o beato Manoel João está enterrado por lá e seu túmulo é bem visitado.
No trajeto, preste atenção nas árvores. As pedras enormes que foram parar em seus galhos não são os aerolitos do Chapolin Colorado: foram carregadas por romeiros, de muito longe, para mostrar sua fé.
Há também formações rochosas consideradas sagradas, e a mais famosa delas é a Pedra do Pecado, que possui uma fenda no meio. Dizem que só passa por ela quem está puro de coração.

O caminho todo é identificado com frases de Padre Cícero, que tinha uma pegada de ambientalista, e deixou válidos conselhos sobre como os sertanejos devem cuidar da terra e dos animais.

Como cheguei lá
Por ser o principal ponto de visitação de toda a região do Cariri, na terceira maior cidade do estado, chegar no Horto é bem simples e barato.

Há um ônibus (a qualidade ainda não é lá essas coisas) saindo do Terminal no centro de Juazeiro do Norte, ao lado da Praça Padre Cícero.
Demora um pouco, porque vai pela Ladeira do Horto, parando para deixar e pegar passageiros. Ao mesmo tempo, é legal para conhecer a subida.

De táxi, carro particular ou mototáxi, o caminho mais rápido é por uma estrada mais larga, e também chega aos pés da estátua. Lá há um bom estacionamento.
Saindo do centro (pela Rua São Pedro, que passa pela Praça Padre Cícero), inúmeras placas indicam o caminho.